RSS

Santiago de Compostela – capítulo 3

15 Mar

Dia 4

Depois que escrevi o blog de ontem, fui conhecer melhor a cidade. Ela tem 136 habitantes, isso mesmo 136, parece uma cidade fantasma. Mas foi uma noite legal. Bom jantar no albergue e depois uns copos de vinho no único bar das redondezas. Quase 40% da cidade estava lá (contando com o barman, é claro).

A noite foi outra história interessante. No meu quarto estavam umas 10 pessoas, dormi logo, mas também acordei com uma verdadeira orquestra. Vários roncadores, cada um com seu estilo, timbre e ritmo. Se tivesse um ambulante espanhol vendendo protetor de ouvidos, pagaria o quanto ele pedisse. Aí me lembrei que a Monica tinha comprado um par, só faltava achá-lo. Levei minha bagagem toda para o banheiro e achei-o. Bem, da Noite das Trevas, imediatamente passei a uma Noite Perfeita, com um silêncio maravilhoso. Que durou pouco, pois um dos Cavalheiros do Apocalipse conseguiu roncar tão alto, que ainda dava para ouvi-lo.

Hoje a pedalada foi complicada. Muita subida, com terra e pedra, várias vezes tive que carregar a bike, e no meio de uma subida, e em uma floresta, começou a chover, ventar e fazer um superfrio. Tudo ao mesmo tempo. O que eu fiz? Comecei a sorrir, pois afinal foi para isso que eu vim, não foi? Bem, passamos por San Juan Ortega, no alto do morro (para variar), e lá há um monastério lindo. A descida foi com chuva e frio, e assim fui até Burgos.

Caminho

Caminho

San Juan Ortega

San Juan Ortega

Catedral de Burgos

Catedral de Burgos

Acabei de chegar em um albergue enorme, super bem equipado, de primeiro mundo. Dá vontade de ficar uns 3 dias aqui. Vou sair agora para visitar a lindíssima catedral, e aproveitar um pouco a cidade. Minha bagagem foi quase que milimetricamente calculada. Dos ciclistas que tenho visto, eu sou o que leva menos peso. E por enquanto não senti falta de nada (exceto do Hipoglós). Vamos ver como vai ser daqui para a frente.

Ontem já tinha chovido um pouco, mas nada como hoje. Minha proteção da bagagem com um plástico de guardar edredom funcionou perfeitamente. Não molhou nada.

Quanto ao rango, minhas opções de café da manhã são

1 – iogurte, água, biscoitos, chocolate, bananas e sanduíche de presunto de presunto de Parma

Para o almoço, ver o item 1.

Para o lanche da manhã e o da tarde, ver o item 1.

Para o jantar, sempre há um restaurante com Menu de Peregrinos. Uma entrada (para mim sempre é massa), uma carne com batatas, pão, vinho e água, tudo isso sai por mais ou menos 10 euros. Agora tem que ser peregrino de verdade, não adianta chegar com um cajado ou um capacete fedorento. É bom pois a refeição tem muitas calorias, e é disso que eu preciso.

Eu já tinha vindo a Burgos em 1984, e claro que já tinha esquecido de tudo. Mas lembrava que era muito bonito. É na verdade muito mais que bonito, é um espetáculo. A catedral é no estilo gótico, por dentro dá vontade de babar, de tanta coisa para ver, tantos detalhes. As ruas cheias de gente, hoje é sábado, e o povo todo está na rua. A Plaza Mayor também é linda, valeu a pena dar esta visitada, pois nas outras cidades turísticas (Pamplona e Logroño) não tive tempo assim. Das cidades médias ou grandes ainda faltam Leon e Santiago, claro.

 

Hoje foram 64 kms. Já pedalei uns 265 kms desde o início (fora os trechos onde me perco, e tenho que voltar, estes não contam, quem manda se perder…). Já cumpri mais de um terço do caminho, em 4 dias. Vou fazer em 14 dias, pois o último será só a chegada a Santiago. Mesmo assim estou adiantado, portanto agora quero diminuir minha média diária (até porque minhas costas não estão dando conta, vou tomar um remédio para dor agora).

Dia 5

Saí de Burgos às 8 da manhã, pois fomos “expulsos” do albergue (ele simplesmente fecha). Estava um frio danado, mas tivemos que ir embora mesmo assim. O dia parecia que seria tranquilo, sem aquelas intermináveis sequências de subidas e descidas. Ao meio dia chegamos em Castrojeriz, uma verdadeira cidade fantasma. Não havia ninguém na rua, nenhuma loja aberta, nada. Acho que eu poderia ficar pelado na praça principal e nada aconteceria. Aliás, este é um problema grave das cidades pequenas na Espanha, a população tem diminuindo muito, os jovens vão embora, e só sobram os velhos.

Vista de Castrojeriz

Vista de Castrojeriz

Atenção na descida!

Atenção na descida!

Depois de Castrojeriz, havia uma subida insana de um morro, de uns 200 metros de diferença de altitude, mas que matou todo mundo. Pior foi a descida, que também era bem íngreme, e foi a morte para os trouxas que tinham bicicleta com pneu liso e ainda bagagem (eu). Resultado, caí 2 vezes da bicicleta, por não conseguir controlá-la.

Para terminar, o meu pesadelo número 2 aconteceu. Furou o pneu traseiro. Tive que tirar a roda para trocá-lo, para isso retirei toda a bagagem. Isso no meio do nada, se meus amigos não estivessem comigo, teria sido um sufoco maior. Isso sem falar que descobri que minha bobinha de encher o pneu tinha se quebrado no primeiro dia, e a Theresa me salvou, emprestando-me a dela.

Puente Fitero

Puente Fitero

Aliás, a tropa de elite continua junta. Eu, a Tom Crise, o Fanuel (isso mesmo, Manuel com F) e o Gianlucca. Nós pedalamos alguns trechos juntos somente. Normalmente marcamos de nos encontrar em alguma cidade no caminho, ao longo do dia, e temos dormido nos mesmos albergues desde Puente la Reina. Por um lado é bom saber que tenho companhia quando quero, e a possibilidade de ajuda. Por outro, sei que não temos muita afinidade, pela diferença de idade. Eu sou mais um “Tiozão” para eles. Só na hora das subidas é que eles me respeitam, pois todos ficam para trás.

Chegamos a uma cidade chamada Villamentero de Campos. Para resumir, a cidade tem 13 habitantes, há o albergue e mais meia dúzia de casas. Ficamos em um albergue meio hippie, mas foi bom. E nada do José.

albergue Villarmentero de Campos

albergue Villarmentero de Campos

Hoje pedalei 68 kms, mais do que o planejado de novo.

Aliás, antes de partir, cometi um erro de planejamento básico, errei as contas, e adicionei um dia no meu quadro, isto é, além de estar adiantado, terei 1 dia sobrando no final. Espero que possa ser útil se surgir alguma emergência.

Dia 6

Acordamos mais tarde, aliás foi a primeira noite decente de sono da viagem. A temperatura às 9 horas estava em 3 graus, a bicicleta da Theresa tinha uma capa de gelo por cima. Foi assim que partimos. Um frio de rachar, tive que colocar toda a roupa de frio que tinha. Meus dedos estavam congelando, minha careca também. Quando pensei que ia sorrir de novo pela dificuldade, não consegui, pois meu queixo e a minha boca também estavam congelados. Paramos para um café na primeira cidade que vimos, e conheci um casal de brasileiros ciclistas, o José e a Márcia. Batemos um papo, e fui para o café. De repente passa o José, espanhol, de bike. Saí correndo do bar e gritei para ele. O danado tinha dormido lá, isto é, já estava mais avançado do que nós.

Não preciso nem dizer que passei o dia com ele. Hoje foi um dia mais fácil, já que praticamente todo o trecho era plano. O ruim foi a dor nas costas, pelo fato de não ter amortecedor, todo o impacto de passar por qualquer buraco vai para as costas, Já tomei remédio para a dor, fiz tudo para melhorar.

José em Ledigos

José em Ledigos

Chegamos à um povoado que se chama El Burgo Ranero. Foram 73 kms, de novo mais que o planejado. O José ia pedalar mais 20 kms, pois era cedo ainda. Não deu. Me despedi dele decentemente, trocamos telefones e e-mails, e decidi ficar com a tropa de elite e o casal simpático de brasileiros. Aliás, jantamos juntos e foi um ótimo papo.

Amanhã devo decidir se fico em Leon ou não, pois é uma cidade que vale à pena visitar, mas estou somente à 38 kms dela.

Advertisements
 
 

Tags:

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: