RSS

Monthly Archives: August 2014

Azerbaijão – que confusão!

Cá estou em İstambul, esperando por 6 horas e meia pelo meu voo para Baku. Pelo menos estou na sala vıp do HSBC, com um pouco de mordomia. Cenário perfeito para uma cerveja, e um pouco de histórıa do Azerbaijão.

Fıco aliviado em ler que até para os azeris é complicado de entender a salada de etnias e religiões que o país passou. Vou tentar resumir, sem a menor pretensão de ser perfeito na análıse, fica apenas uma ideia do que vou enfrentar.

Tudo começou no seculo 6 AC, e o Azerbaijão era parte do İmpério Persa, e a religião predomınate era o zoroastrısmo. Depois de 3 séculos, se transformaram em cristãos, e começaram a construir várias igrejas, que hoje estão em ruinas. No século 7 DC o islamismo tomou conta, com a chegada dos árabes. No século 13 chegaram os mongóis e vários terremotos assolaram a região. Em 1500 os xiitas ınvadiram e logo tomaram conta do pedaço. Por séculos, ficaram no meio do caminho entre os impérios persa e otomano. Tudo isso mudou com a chegada dos russos, que incentivaram a emigração de cristãos ortodoxos para a região, o que claro gerou vários conflitos étnicos. Em 1905 Baku era responsável por metade da produção de petróleo mundial, e se tornou uma cidade riquíssima. Claro que a intervenção do Stalin atrapalhou tudo, e acabou resultando em caos total. Com a Revolução Russa a coisa complicou de vez. Foi a época que a confusão com a vizinha Armênia começou, e ainda não acabou. Pra se ter uma ideia, há um pedaço do Azerbaıjão do outro lado da Armênia, fora a região de Nagorno Karabakh, que se transformou em zona total de conflitıo, com guerras e limpezas étnicas, e até hoje é dısputada pelos 2 países. Depois da perestroika, veio a independência. Nagorno Karabakh hoje é ocupada pela Geórgia (com 800.000 azeris refugiados), que não sai para não dar a ideia de derrota. Enfim, um impasse sem soluçao à vista.

Acabo de receber uma mensagem do Guilherme, que está no aeroporto de Chisinau (Moldávia), vindo me encontrar em İstambul, mas parece que o voo atrasou, e vou ter que me virar sozinho na chegada.

 
Leave a comment

Posted by on August 24, 2014 in Azerbaijão, Caucasus, Cáucaso

 

Tá chegando a hora!

Está chegando a hora de mais uma viagem. Em 8 dias partimos para uma aventura na região dos Cáucasus. A vida continua a de sempre, trabalho, família, enfim a rotina tradicional, mas com um friozinho na barriga, só de lembrar o que nos espera. Nesta altura, prefiro nem ler muito mais sobre os lugares que vou, e nem ver muitas fotos. Hoje em dia, com o avanço da tecnologia, dá pra visitar o mundo todo sem sair de casa. E qual é a graça então de viajar? A graça é, além de ser surpreendido por lugares que você não tinha visto em fotos, ou no Google Steet View, é de ter contato com a cultura local, de conhecer gente de verdade, comer comida bem diferente da nossa, de conversar e tentar mergulhar em mundos diferentes do nosso. Isso é o que me motiva.

Escrevo hoje sem saber muito bem o que vou enfrentar, só que desta vez, como vou ter boas companhias, sei que a tarefa ficará mais fácil, pois certas tarefas poderão ser divididas com eles. Do roteiro já descrito em outro post, quase nada mudou. Temos hotéis ou hostels reservados nas principais cidades, como Baku, Tiblisi, Ierevan, Goris, Teran, Kashan, Isfahan e Yazd. Ainda falta Tabriz e Shiraz, no Iran, e todas as outras do Caucasus. Estas são cidades menores, ou não turísticas, e que vamos deixar pra decidir quando chegarmos, até porque nestes locais não há como reservar pela internet. Bacana, né? Ainda é possível viajar com frio na barriga.

Isso fora as fronteiras para áreas separatistas que vamos ter que cruzar, enão serão poucas. Georgia-Abkhazia (ida e volta), Rússia-Ossétia do Sul (ida e volta) e Armênia-Nagorno Karabak (ida e volta).

Quanto aos vistos, já saímos daqui com 3 deles : Azerbaijão, Armênia e Iran. Todos foram super fáceis de conseguir, Azerbaijão e Iran em Brasília, e o da Armênia em São Paulo, e este, acreditem, é grátis. Já viram isso? Pra Geórgia e Rússia não há necessidade de vistos. Com relação às repúblicas separatistas, pra Abkhazia já fizemos pela internet (também grátis), pra Ossétia do Sul será mais complicado, teremos que fazer por lá, e pra Nagorno Karabak poderemos tirar em Ierevan, sem maiores burocracias (espero).

Pra quem já se perdeu no mapa, ou não faz a menor ideia de onde esses lugares ficam, voltem ao post do Roteiro da Viagem, o mapa está lá.

Preciso confessar que minha mochila está 90% pronta, já que o que eu pretendo levar não uso muito por aqui. Em uma pesquisa rápida no Weather Channel, verifiquei que as temperaturas na maioria dos lugares está acima dos 35 graus, no Iran elas passam dos 40 graus facilmente no verão. A única vantagem nisso é que muitos turistas evitam esses lugares nesta época. isso eu vou me certificar quando chegar lá.