RSS

Monthly Archives: July 2017

Islândia – a ilha dos vulcões – chegada

Primeiro peguei um voo de Malta, pelada Ryanair até Londres, e lá encontrei o Leo e o Fabricio (quem mais poderia ser?). Cheguei no final da tarde, e nosso voo para Reykjavik seria no dia seguinte às 6:20 da manhã. Claro que nem valia à pena irmos para um hotel, então decidimos rodar por Londres até tarde da noite e depois pegar o trem para Gatwick, de onde partiria nosso voo.

Claro que chegamos em Reyjkjavik quebrados. Alugamos uma carro no aeroporto e fomos para a guesthouse, que ficava perto do aeroporto e da Bleu Lagoon, a mais visitada atração turística da Islândia. O problema é que só conseguimos vaga para visitar a Blue Lagoon no último dia, às 9 da noite, pois não pensávamos que estaria assim tão cheia. Na verdade, bobeamos, pois deverímos ter feito esta reserva bem antes, não em cima da hora. Na guesthouse, nos mandaram de volta pra rua, pois só abriria às 4 da tarde. Então foi um dia que teríamos que achar algo para fazer, e o mais conveniente seria ir para a capital Rejkjavik, que fica à uns 50 kms dali.

A primeira impressão da cidade não foi muito estimulante. A cidade é pequena, tem cerca de 120.000 habitantes, mais de um terço da população do país inteiro. Bem pacata, como deveria ser uma cidade deste porte, só não mais pacata pelos turistas, que não são muitos, mas proporcionalmente fazem a diferença. O centro é bem arrumadinho, na beira do cais, mas fazia frio, e estávamos mortos. Então depois de algumas voltas pelo centro, resolvemos partir pra guesthouse. Deu tempo par visitar a igreja de concreto, a atração mais visitada da capital. Por fora achei bem sem graça, mas por dentro é bem legal.

Antes passamos no mercado, pois decidimos que iríamos comprar comida e cozinhar, para não irmos à falência comendo em restaurantes caros, ou ter que ficar comendo somente sanduíches. O Fabricio nos presenteou com sua técnica culinária, e eu e o Leo fizemos somente o possível : lavamos os pratos e as panelas. A guesthouse ficava em um lugar meio ermo, na beira do mar, parecia escolhida à dedo como cartão de visitas deste país.

DSC05566

Centro de Reykjavik

DSC05585

Não muito cheio, não é?

DSC05567

Esta igreja de concreto é a maior atração de Reykjavik

 
Leave a comment

Posted by on July 31, 2017 in Iceland, Islândia

 

Tags:

Malta – um coquetel de cultura

Bem, para quem está familiarizado com este blog, entende o porquê de eu passar batido por Barcelona. Primeiro que não é perfil de destino de viagens que eu costumo postar, e depois porquê eu fui visitar um amigo, muito mais do que fazer turismo.

Depois de 4 dias por lá, fui para Malta. Ali também foi para visitar um amigo, também por 4 dias. Mas a diferença é que sobre Malta vale fazer alguns comentários. Malta é um destino relativamente pouco conhecido e visitado, e quem não foi ainda está perdendo. É simplesmente um lugar fenomenal. Primeiro pela sua posição estratégica, no meio do Mar Mediterrâneo, e que foi conquistado por todos os tipos de povos e religiões. Por isso seu idioma é uma mistura de vários idiomas, mas foneticamente parece muito com o árabe. Ela é originalmente árabe, e sofreu influência do italiano, siciliano, depois em menor escala do francês e por último do inglês. Como a ilha foi colonizada por vários povos, e os últimos foram os ingleses, a influência inglesa é mais forte, inclusive o inglês também é falado por todos nas ilhas.

Eu falo nas ilhas pois o país é composto por 3 ilhas principais. É pequeno, com população de menos de 400.000 pessoas, mas de uma intensidade cultural imensa. A arquitetura também é uma mescla de mediterrânea com árabe e cristã, e mesmo sendo a terceira visita à ilha, eu sempre me deslumbro com tudo por lá. Enfim, vale muito à pena uma visita, de 3 à 4 dias.

Abaixo algumas fotos. Primeiro de Valletta, a capital, que é tipicamente uma cidade velha, com ruelas, cheia de prédios antigos, e apinhada de turistas. Depois da orla, toda ela cheia de enseadas, cada uma mais bonita do que a outra, destacando Sliema e St. Julians, as mais belas.

DSC05408

Vista de Valletta

DSC05438

Influência cristã

DSC05464

Maltês

DSC05479

Orla de Sliema, parte nobre da ilha

DSC05487

Igreja de St. Julians

Acho que deu pra ter uma aperitivo do que existe por lá. Não deixem de ir.

 

 
Leave a comment

Posted by on July 17, 2017 in Malta